sábado, 26 de maio de 2018

Família de Ayrton Senna Tentou Fazer Adriane Galisteu Desaparecer

Revista da Rússia журнал-формула1.рф, Nº 20, março de 2000
Por Alexey Yurtsov



TRADUÇÃO LIVRE DO RUSSO

Amor terreno

A última namorada do mago brasileiro foi a modelo brasileira Adriane Galisteu. Eles se conheceram durante o Grande Prêmio do Brasil em 1993 em Interlagos, onde Adriane era membro do grupo de "garotas da Shell". Eles se encontraram pela primeira vez no sábado no Paddock da Shell. "Senti que ele estava olhando para mim", lembra Adriane. - No dia seguinte ao redor dos boxes da McLaren eu fui parada por um cara gordo que disse: "Eu sou assistente de Ayrton Senna em assuntos privados. Ele me pediu para descobrir o seu número de telefone ". Achei engraçado, mas dei a ele o número da minha casa e o telefone do escritório."

Senna venceu o Grande Prêmio do Brasil e comemorou sua vitória em uma festa na badalada boate de São Paulo Limelight. Garotas da Shell estavam lá de plantão. "Como em um conto de fadas sobre Cinderela, ele apareceu quando o relógio bateu doze horas", continua Adriane. - Antes de sair, queria subir para parabenizá-lo, como deveria estar de acordo com o protocolo. O próprio Ayrton pediu a seus seguranças que limpassem meu caminho. Apertei a mão dele, ele me segurou e estendeu uma taça de champanhe: "Comemore comigo". "Obrigado, mas eu não bebo", eu disse. "Mas este é um dia especial. Eu ganhei. Você não bebe nada? "" Nada ". "Espere um minuto", seu amigo gordo, o chamado assistente em assuntos particulares, me ligou. "Nós vamos fazer um piquenique [churrasco] em Angra neste final de semana." Você quer se juntar a nós? "Eu saí, desistindo do tradicional:" Até mais. "

Na manhã seguinte, Adriane foi acordada por um telefonema e a mesma pergunta soou no telefone. Ela foi para Angra e, dois meses depois, apareceu com Senna no paddock do Grande Prêmio de Mônaco. Ayrton não prestou tal honra a nenhuma de suas namoradas desde seu romance "oficial" com Xuxa Meneguel [oficial em parênteses porque o jornalista não acredita que com Xuxa foi um romance/namoro de verdade].

Ao longo do ano, Adriane acompanhou Ayrton nos autódromos do mundo. Eles pareciam um casal adorável, e pouco antes de sua morte em várias entrevistas, Senna voltou a falar sobre ter uma família. Infelizmente, os sonhos do brasileiro não estavam destinados a se tornar realidade. 01 de maio de 1994 Senna morreu em Ímola, mas os escândalos de amor em torno do nome do feiticeiro [das pistas] não diminuem mesmo após a sua morte.

Amor ao túmulo

Na família de Ayrton, a loira de olhos verdes não era aceita [bem recebida], consideravam-na muito insignificante [por ser pobre]. Depois da tragédia em Ímola, Adriane chamou [telefonou] de Portugal, da casa onde vivia com Senna, para expressar condolências aos pais de Ayrton, mas eles simplesmente não queriam falar com ela.

Naquela época, Xuxa Meneguel já estava voando do Rio para São Paulo, tendo deixado todos os assuntos [o que tinha a fazer]. Apesar da promessa de não comparecer ao funeral, Xuxa chegou ao cemitério do Morumbi [fazia também parte do plano dela com Viviane Senna]. As duas ex-namoradas de Senna se esbarraram perto de seu caixão, e a cena subsequente, linda, não pode ser chamada. Muitas pessoas, francamente, não repararam Adriane, e expressaram as suas condolências a Xuxa. A maltratada/destratada Adriane tentou ajudar os pilotos a levar o caixão com o corpo de Ayrton, mas isso também não foi permitido. Claro, não havia lugar para ela no carro que levou a família após a cerimônia. A convite de Milton da Silva [pai de Ayrton], Xuxa sentou-se ali, caminhando com a irmã de Ayrton, Viviane, depois da cerimônia. 

[Com certeza armaram para que Xuxa fosse reconhecida publicamente como a mulher/viúva do Ayrton e não Adriane.]

Xuxa Meneguel

A família de Ayrton tentou fazer Adriane desaparecer de sua vida [e da mídia] para sempre, reconhecendo Xuxa como sua cunhada [e nora / viúva] não oficial. Há uma explicação muito razoável para isso. Xuxa – a Branca de Neve do Brasil, jovem, bonita, famosa e rica. Claro, Xuxa não tinha direito à herança de Senna. Quanto a Adriane, você [eles] poderiam esperar qualquer coisa dela [no sentido de reinvidicar parte da herança / isso na cabeça deles, principalmente]. Em parte, então acabou.





IDIOMA ORIGINAL

Любовь земная


Последней подругой бразильского Волшебника стала португальская фотомодель Адриана Галистеу. Они познакомились во время бразильского Гран При 1993 года в Интерлагосе, где Адриана входила в группу «девушек Shell». Впервые они столкнулись в субботу после квалификации на гостевой вечеринке Shell в Paddock Club. «Я почувствовала, что он смотрит на меня, - вспоминает Адриана. - На следующий день около боксов McLaren меня остановил толстый парень и сказал: «Я помощник Айртона Сенны по частным вопросам. Он просил меня узнать номер вашего телефона». Я нашла это забавным, но дала ему мой домашний номер и телефон офиса».

Сенна выиграл Гран При Бразилии и праздновал свою победу на вечеринке в фешенебельном ночном клубе Сан-Паулу Limelight. Девушки Shell находились там по долгу службы. «Как в сказке про Золушку, он появился, когда часы пробили двенадцать, - продолжает Адриана. - Перед тем как уйти, я хотела подойти поздравить его, как это положено по протоколу. Айртон сам попросил своих охранников расчистить мне путь. Я пожала ему руку, он удержал меня и протянул бокал с шампанским: «Отпразднуй со мной». «Спасибо, но я не пью», - сказала я. «Но это особенный день. Я выиграл. Ты не пьешь ничего?» «Ничего». «Подожди минутку, - окликнул меня его толстый друг, так называемый помощник по частным вопросам. - Мы собираемся устроить пикник в Ангре в этот уик-энд. Не хочешь ли присоединиться к нам?» Я выкрутилась, бросив традиционное: «Увидимся позже».

На следующее утро Адриану разбудил телефонный звонок, и в трубке прозвучал тот же вопрос. Она поехала в Ангру, а через два месяца появилась вместе с Сенной в паддоке Гран При Монако. Такой чести Айртон не оказывал ни одной из своих подружек со времен его «официального» романа с Шушей Менегэл.

Весь год Адриана сопровождала Айртона по автодромам мира. Они казались прекрасной парой, и незадолго до гибели в нескольких интервью Сенна снова заговорил о семье. Увы, мечтам бразильца не суждено было сбыться. 1 мая 1994 года Сенна разбился в Имоле, но любовные скандалы вокруг имени Волшебника не затихают и после его смерти.

Любовь до гроба

В семье Айртона не очень жаловали голубоглазую блондинку, считая ее слишком легкомысленной, а после того как отец Сенны сеньор Милтон да Силва обнаружил телефонные счета из Ангры Душ Рэйш, откуда она несколько раз звонила своему бывшему любовнику, впала в окончательную немилость. Узнав о трагедии в Имоле. Адриана позвонила из Португалии, где жила в доме Сенны, в Ангру, чтобы выразить соболезнования родителям Айртона, но с ней просто не захотели разговаривать.

А в это время из Рио в Сан-Паулу, бросив все дела, уже летела Шуша Менегэл. Несмотря на обещание не появляться на похоронах, Шуша приехала на кладбище Морумби. Две бывшие любовницы Сенны столкнулись у его гроба, и последовавшую затем сцену красивой не назовешь. Португалку многие откровенно не замечали, выражая соболезнования Шуше. Оскорбленная Адриана попыталась помочь гонщикам нести гроб с телом Айртона, но и этого ей не позволили. Разумеется, не нашлось ей места и в машине, которая увезла семью после церемонии. По приглашению Милтона да Силвы туда села Шуша, шедшая после церемонии под руку с сестрой Сенны Вивиан.

Родные Айртона постарались сделать так, чтобы Адриана навсегда исчезла из их жизни, признав Шушу как бы своей неофициальной невесткой. Этому есть вполне разумное объяснение. Шуша - белоснежка Бразилии, молода, красива, знаменита и богата. В 1990 году в Педра де Гуаратиба под Рио благодаря фонду Шуши Менегэл открылся приют для десятков бездомных детей Бразилии. Разумеется, Шуша не имела никаких претензий на наследство Сенны. Что же до Адрианы, то от нее можно было ожидать чего угодно. Отчасти так оно и оказалось.

Алексей Юрцов






FONTE PESQUISADA

ЮРЦОВ, Алексей. Три любви и одна страсть Айртона Сенны. Disponível em: <http://www.xn---1-6kcb1a5abhfnrf6ail.xn--p1ai/publ/nomera_zhurnala/20_03_2000/tri_ljubvi_i_odna_strast_ajrtona_senny/49-1-0-473>. Acesso em: 26 de maio 2018.

Dona Neyde, Foto Mais Atual, 23 de fevereiro de 2018

Dona Neyde (esq.), mãe de Ayrton Senna, à frente ao memorial do piloto, com funcionários e visitantes, em 23 de fevereiro de 2018. Ela tem 82 anos.

sexta-feira, 25 de maio de 2018

“Te pergunto: para quê um musical sobre Ayrton Senna (‘Ayrton Senna, o Musical’)? Não tem dramaturgia, são só fogos de artifício” – Aguinaldo Silva, autor de novelas



Por João Wady Cury
24 Maio 2018 | 15h41
Estadão - cultura.estadao.com.br


Tem ido ao teatro?

Sempre, mas, como tem muita peça em cartaz, geralmente vou por indicação. Vejo tudo o que posso, menos musicais. Está se gastando muito dinheiro com musicais pobres em qualidade em que se faz muito carnaval em torno deles. Te pergunto: para quê um musical sobre Ayrton Senna (‘Ayrton Senna, o Musical’)? Não tem dramaturgia, são só fogos de artifício.


Imagens de "Ayrton Senna, O Musical", que estreou ano passado no Rio de Janeiro, agora está em sua segunda e última temporada, dessa vez em São Paulo, e faltam apenas duas semanas para encerrar a temporada paulista







FONTE PESQUISADA

“Sinto falta hoje de uma boa dramaturgia brasileira”, diz Aguinaldo Silva. Disponível em: <http://cultura.estadao.com.br/blogs/arcenico/sinto-falta-hoje-de-uma-boa-dramaturgia-brasileira-diz-aguinaldo-silva/>. Acesso em: 25 de maio 2018.

quinta-feira, 24 de maio de 2018

Histórias da F-1: o Dia do Erro Banal de Senna no GP de Mônaco (Vídeo)





SporTV - 24 de maio de 2018










































Ayrton Senna virava definitivamente o Rei de Mônaco há exatos 25 anos

No dia 23 de maio de 1993, tricampeão mundial quebrava recorde de vitórias no Principado com perícia e, por que não dizer, um tanto de sorte após problemas de Prost e Schumacher


Ayrton Senna virava definitivamente o Rei de Mônaco há exatos 25 anos Ayrton Senna virava definitivamente o Rei de Mônaco há exatos 25 anos

Por Fred Sabino, Rio de Janeiro
23/05/2018 08h00  
Globo Esporte - globoesporte.globo.com

Quando chegou a Monte Carlo para a sexta corrida da temporada de 1993, Ayrton Senna vivia uma lua de mel com a torcida brasileira. Contra todas as previsões, estava firme na disputa da liderança do campeonato mesmo com um conjunto McLaren-Ford bem inferior à poderosa Williams-Renault de Alain Prost. Nas cinco corridas anteriores, conquistara duas vitórias antológicas em Interlagos e Donington Park, enquanto o francês vencera três vezes (África do Sul, San Marino e Espanha).

Na tabela, Prost tinha 34 pontos contra 32 de Senna. Mas, em Mônaco, a perícia de sempre e uma dose de sorte deram a Ayrton a sexta vitória no Principado. Um recorde que completa 25 anos neste dia 23 de maio e é o tema da seção OTD ("On This Day").


O primeiro dia de atividades não começou nada bem para Senna. Logo no primeiro treino livre de quinta-feira, o brasileiro freava para a curva da St.Devote quando a suspensão ativa da McLaren teve um problema e o carro guinou para o guard rail do lado direito. Depois de uma violenta batida, o MP4/8 ricocheteou para a esquerda.

Senna durante os treinos livres do GP de Mônaco de 1993 (Foto: Getty Images)

Senna mordeu a língua e ainda teve uma luxação no dedo polegar da mão direita, o que era uma preocupação para a corrida mais desgastante da temporada. Isso porque, apesar de o câmbio não ser mais manual, ainda assim havia diversos comandos do volante do lado direito. Diante disso, a McLaren teve de fazer adaptações de emergência no volante para Senna ter condições de guiar no fim de semana.

De fato, Senna pôde participar de todas as atividades de pista. Choveu com violência no primeiro treino classificatório, e as dores foram maiores do que a habilidade de Ayrton no molhado. Resultado: quinto lugar, a 3s173 do melhor tempo feito por Damon Hill. Mas a previsão para o sábado era de sol, então os tempos do primeiro tempo não pareciam relevantes. E não seriam mesmo.

Prost acelera em Mônaco para conquistar a pole position (Foto: Getty Images)

Com a pista seca, Alain Prost conquistou sua sexta pole consecutiva, com 1m20s557, terminando 0s633 à frente de Michael Schumacher, que se mostrou muito à vontade com a Benetton-Ford no Principado. Senna tinha tudo para incomodar Prost, mas ficou apenas em terceiro após uma rodada na saída do túnel quando vinha na sua melhor volta do treino. Damon Hill ficou em quarto depois de rodar no mesmo ponto por quebra da suspensão.

Em terceiro no grid, e sem muitas esperanças de vencer, Senna tinha duas opções estratégicas: se fizesse uma boa largada, pelo menos passando Schumacher, ele iria imprimir um ritmo forte. Se ficasse em terceiro, faria uma prova mais cautelosa e tentaria evitar uma troca de pneus, deixando Schumi partir na caça a Prost, e tentando aproveitar algum contratempo de ambos.

Largada do GP de Mônaco de 1993 (Foto: Reprodução)

E, de fato, os contratempos dos rivais vieram. Com problemas de embreagem na Williams "de outro planeta", como Senna chamava os carros da equipe na época, Prost largou um pouco antes da luz verde. Uma queimada clamorosa. Com isso, o francês disparou na frente, seguido por Schumacher e Senna, que quase perdeu o terceiro lugar para Hill mas o segurou no grito.

Com um forte ritmo, Prost começou a abrir, e Schumacher não o conseguiu perseguir de perto, enquanto Senna, cumprindo o plano de tentar evitar uma troca de pneus, ficou mais para trás, controlando os ataques de Hill. Mas no fim da 11ª volta Prost teve de parar nos boxes para cumprir um stop and go de dez segundos.

Só que a embreagem, usada apenas com o carro parado, voltou a aprontar: quando o francês tentou sair, o carro morreu. Depois de muita demora e mais outra tentativa fracassada de arrancar, Prost deixou os boxes com uma volta de atraso.

Schumacher herdou a liderança e continuou imprimindo um ritmo forte, preparando sua troca de pneus prevista, enquanto Senna apertou um pouco o pé a partir da 18ª volta, quando a diferença chegou a 20 segundos. Da 20ª à 30ª voltas de um total de 78, a diferença se estabilizou em 15 segundos.

Schumacher volta a pé após abandonar GP de Mônaco de 1993 (Foto: Getty Images)

Mas aí a sorte faltou a Schumi e sorriu a Ayrton, quando, na 33ª passagem, uma tubulação de fluido da suspensão ativa se rompeu e causou um incêndio na Benetton. Fim de prova para Schumacher e liderança a Senna. Naquele momento, Prost vinha se recuperando e já era o décimo, mas ainda sem estar na zona de pontuação, que ia até o sexto colocado.

Como conseguiu poupar os pneus na primeira metade da prova, Senna conseguiu aumentar o ritmo nas voltas seguintes ao abandono de Schumacher, e, com isso, abriu mais de 30 segundos de vantagem para Hill. Já com a diferença tranquila, o brasileiro mudou a estratégia e resolveu trocar os pneus para se garantir nas voltas finais.

Após assumir a ponta, Senna controlou bem a vantagem até o fim (Foto: Getty Images)

Com uma boa operação da McLaren nos boxes, Senna manteve a liderança após o pit stop e, com pneus novos, abriu novamente de Hill mesmo sem forçar o carro. No terço final de prova, o inglês sofreu com a aproximação de Gerhard Berger com a Ferrari, com Jean Alesi em quarto, Prost já em quinto e Christian Fittipaldi num excelente sexto lugar com a Minardi.

A sete voltas da bandeirada, Berger aproveitou um vacilo de Hill com os retardatários e encostou. Mas o austríaco, como em muitas vezes na sua carreira, fez uma bobagem monumental ao tentar passar Hill no gancho do Loews quando não havia a menor chance. Berger ficou por ali mesmo, enquanto Hill ainda voltou aos trancos e barrancos, mas sem perder o segundo lugar.

Senna na volta da consagração após vencer em Monte Carlo, em 1993 (Foto: Getty Images) 

Nas últimas voltas, Senna administrou a vantagem sobre Hill e de repente viu Prost atrás dele a ponto de recuperar a volta de atraso. Ayrton não queria Prost por perto e apertou o ritmo para "evitar alguma surpresa" - lembrem-se de que eles ainda não haviam feito as pazes.

Senna cruzou a linha de chegada para vencer pela sexta vez em Mônaco, com 52s118 de vantagem para Hill e 1m03s362 à frente de Alesi, com Prost em quarto, Christian numa fantástica quinta posição, e Martin Brundle (Ligier) em sexto.

Senna vibra após vencer pela sexta vez em Monte Carlo (Foto: Getty Images)

Com a vitória em Mônaco, além de superar o recordista anterior Graham Hill e se tornar o Rei de Mônaco, Senna recuperou a liderança do campeonato, com 42 pontos, cinco a mais do que Prost. Até o fim do ano, ele venceria mais duas vezes (Japão e Austrália) e seria o vice-campeão, enquanto Prost conquistaria o tetra.

Ayrton Senna comemorou vitória em Mônaco com a namorada Adriane Galisteu (Foto: Getty Images)

E Senna celebrou a sexta vitória no Principado com a nova namorada Adriane Galisteu, a quem levou para a tradicional festa de gala liderada pelo Príncipe Rainier na noite de domingo, e ainda deu na segunda-feira um passeio de motoneta pelo circuito que o consagrou para sempre.

Senna conquistou sexta vitória em Mônaco com McLaren MP4/8 (Foto: Divulgação)

A mística em torno de Senna nas ruas de Monte Carlo ficou para a eternidade, mesmo mais de duas décadas depois da morte do tricampeão, em 1994. No início do mês, a McLaren usada por Ayrton na vitória de 1993 foi arrematada num leilão por ninguém menos do que Bernie Ecclestone. O valor? Singelos R$ 18 milhões.





FONTE PESQUISADA

SABINO, Fred. Ayrton Senna virava definitivamente o Rei de Mônaco há exatos 25 anos. Disponível em: <https://globoesporte.globo.com/motor/formula-1/blogs/f1-memoria/noticia/ayrton-senna-virava-definitivamente-o-rei-de-monaco-ha-exatos-25-anos.ghtml>. Acesso em: 24 de maio 2018.